30 de maio de 2016

Casacadabra - Livro de Arquitetura para Crianças



Há tempo que era pra ter vindo aqui falar sobre esse projeto aqui no blog, mas vai valer o bom e velho "antes tarde do que nunca".
A ideia é muito legal, pais e filhos vão aprender juntos e é de um valor cultural imenso.

  • Porque um livro de arquitetura para crianças?

As autoras partem da ideia de que as cidades serão mais justas e humanas quando a
arquitetura e o urbanismo começarem a ser ensinados desde o princípio: nas aulas de ensino básico, fundamental, médio e não apenas nas salas de aula das faculdades de arquitetura. Nos livros para as crianças, e não apenas em artigos acadêmicos.
"Acreditamos na educação para abrir os olhos das pessoas, desde cedo, para o lugar em que vivem.
Casacadabra é um pequeno passo para essa transformação", dizem as autoras.
Hoje mais de 50% da população mundial mora em cidades (no Brasil, esse número sobe para 85%). A lógica das construções é algo que pode ser acessível a todos, mas hoje não é automaticamente visível. "Se quisermos cidades melhores, precisamos aprender os princípios da arquitetura desde cedo, aprender a ler a cidade, seus códigos ocultos", dizem.
A qualidade do espaço pode mudar comportamentos, melhorar a convivência entre as pessoas, aumentar percepções e a apropriação do próprio espaço, desde a pequena escala da casa. Alerta disso, a criança cresce e cria, também, a consciência crítica em relação à cidade.




  • Sobre o livro Casacadabra


Com brincadeiras, interatividades e exercícios propostos para fazer em casa ou na escola, o livro, lançamento da Pistache Editorial (editora independente), leva o leitor a descobrir segredos e detalhes da arquitetura, ao mesmo tempo em que percebe as casas como espaços lúdicos: uma casa redonda, um dragão que mora no telhado, ou a casa em cima da cachoeira.








A publicação traz dez casas construídas pelo mundo e assinadas por arquitetos famosos. Quatro projetos brasileiros têm destaque: a Casa de Vidro, de Lina Bo Bardi, a Casa Bola, de Eduardo Longo, a casa Grelha, de FGMF, e um edifício cheio de casas: o Copan, de Oscar Niemeyer. 
De outros países temos: Casa Dymaxion, Buckminster Fuller (Estados Unidos); Fallingwater, Frank Lloyd Wright (Mill Run, Estados Unidos); Casa Batlló, Antoni Gaudí (Barcelona, Espanha); Bedzed, Bill Dunster (Londres, Inglaterra); Casa NA, Sou Fujimoto (Tóquio, Japão) e Quinta Monroy, Elemental (Iquique, Chile).

  • As autoras


BIANCA ANTUNES é jornalista formada e mestre pela ECAUSP (2000 e 2008), pós-graduanda na Escola da Cidade (2015) e atua há 12 anos na difusão da arquitetura. É editora da revista AU – Arquitetura e Urbanismo (Editora PINI) desde 2009, e foi editora-assistente da mesma revista de 2004 a 2009. É autora de livros de arquitetura pela editora C4 e BEI, organizadora do livro Entrevistas (Editora PINI) e colaborou com o Dutch Culture/Ministério da Cultura da Holanda na atualização de um mapeamento cultural brasileiro na área de arquitetura (2015).

SIMONE SAYEGH é arquiteta formada pela FAUUSP (1995) e trabalha há 15 anos na difusão da arquitetura em revistas especializadas e sites para o público final, como revista AU – Arquitetura e Urbanismo (Editora PINI) e UOL. Seus textos constam em livros de arquitetura e livros técnicos.

Para a realização de Casacadabra, a Pistache Editorial conta com o trabalho de CAROLINA HERNANDES, responsável pelo projeto gráfico e pelas ilustrações. Carolina é designer e ilustradora formada pelo Istituto Europeo di Design (2014), cursou arquitetura e urbanismo na FAUUSP e é pós-graduanda em planejamento e produção de mídia impressa pelo Senai SP (2016).





Em abril o livro foi lançado no Catarse, uma ferramenta de financiamento coletivo, com a aposta de conquistar leitores, para que a publicação aconteça e possa gerar novas edições, que continuem tratando do tema urbano para o leitor infantil e infanto-juvenil.
A equipe também busca apoios e patrocínios para que não apenas a produção do
livro seja financiada, mas também atividades educativas relacionadas ao Casacadabra, levando a publicação às ruas e gerando discussões.

Para participar do financiamento coletivo, acesse: catarse.me/casacadabra

Mais inofrmações sobre o projeto:


Nenhum comentário:

Postar um comentário