5 de agosto de 2013

O dia em que me tornei pai - #PapaiBlogando


De repente Pai.

Com certeza não veio uma fada com uma varinha de "cordão" e me tornou PAI de uma hora pra outra. Falar "O dia em que me tornei pai" pode lembrar do dia do nascimento da minha filha, mas me "tornei" pai em um processo que durou toda a gestação.

Então se for pra escolher um dia, seria o dia da confirmação da gravidez.

A partir daí cada dia foi construindo um PAI, que foi ficar quase pronto depois de 40 semanas.

Nas primeiras semanas vieram as dúvidas. Será que vai ser menino ou menina, que nome terá, será que é um, dois ou mais???


Depois vieram as descobertas e constatações. Uma delas foi que a fila de gestantes não compensa! Melhor deixar a esposa confortável no carro e encarar a fila comum.

Depois que se descobre que vai ser menina, e uma só, já dá para definir o nome e coisas do gênero.

Não me tornei pai sozinho, procurei ler muito e conversar muito também, embora já tivesse uma boa bagagem como observador de sobrinhos e filhos de amigos.

Então passei meses pensando em como gostaria que as coisas fossem, porque ter certeza de como serão a gente nunca tem.

Eu sempre me preocupei muito com a mãe da minha filha, e tenho orgulho de ter ficado com ela o tempo todo, desde as consultas até o último ponto da cesariana (sim, perdi a pesagem e o 1o. banho porque fiquei segurando a mão da minha esposa, que precisava da minha companhia naquele momento).

Creio que me tornei um bom pai, mas acima de tudo acredito que tenho muita sorte da minha filha ser como sempre sonhei.

Sem contar que eu já tinha me tornado pai de uma menina de cinco anos, minha enteada, então a novidade mesmo foi ser pai de um bebê... agora lascou! porque eu já era pai antes de ser... isso nunca me aconteceu antes! rss


Andres Lovera, pai de #aos16 e #aos3

Um comentário:

  1. Acredito mesmo nisso, que ser pai é uma construção! Amo ler a opinião dos Papais!
    Bjs

    ResponderExcluir