23 de janeiro de 2013

Um contrato para o filho usar o smartphone ou uma conversa?

Imagem daqui


Assisti no Fantástico uma reportagem que mostrou uma mãe americana que fez um contrato para o filho assinar antes de ganhar o seu smartphone no Natal.  Um contrato?! Será que uma boa conversa antes não seria melhor?


No contrato, com 18 itens, estavam os deveres do menino de 13 anos  para ganhar o smartphone. Dentre eles tinha um que achei bem interessante: "Nunca escrever nada que teria vergonha de dizer na presença dos pais." Esse eu acho interessante para os filhos e também para muitas pessoas que escrevem cada coisa nas redes sociais que eu duvido que pessoalmente teriam coragem de dizer.

 Já pensou se isso vira moda e ele começa a querer fazer contrato com os pais pra tudo? O objetivo dela fazendo ele assinar um contrato de uso é compreensível, mas eu tentaria de outra forma.
No contrato também falava de um limite de horário. Aqui eu não limito horário para uso da internet (pretendo rever isso no início das aulas), mas sempre estou observando as redes sociais da minha filha (#aos15) com quem ela fala, quem adiciona. Defendo muito que os pais devem estar de olho e ser mais participativos na vida online de seus filhos.

Durante a reportagem tiveram várias questões interessantes para serem discutidas:
  • Você acha que os pais devem saber as senhas dos filhos?
  • Pais devem ter acesso ao histórico de conversas e mensagens?
  • Não usar na sala de aula.
  • Há um limite para a quantidade de créditos?
  • Chamadas dos pais devem ser atendidas sempre? (essa também constava no contrato)
Quem não assistiu a reportagem pode ver acessando o link abaixo. Tem uma conversa bem legal entre mães e filhos com a participação do Zeca Camargo.


Como vocês lidam com o uso do smartphone pelos seus filhos? Vocês tem regras? O que achou da ideia do contrato? Quer dar alguma dica? Conta pra gente!!!




7 comentários:

  1. Legal seu post, não vi o fantástico este dia; aqui ainda nem sonho com esse tipo de problema ( abay com 8 meses), mas invariavelmente este dia vai chegar. Creio que se educarmos nossos filhos com princípios e orientações bem claras, com espaço para diálogo franco, não seria necessário nem contrato nem uma vigilância abusiva, como ter acesso a senhas e conversas, desde que, obviamente, a criança demonstre que sabe lidar com a internet e seus recursos. Um beijo Flávia #amigacomenta
    www.gravidinhasemaezinhas.com

    ResponderExcluir
  2. Eu sempre usei muito todo tipo de celular que tive, porém minha mãe tinha total liberdade para mexer nele, hoje minha mãe participa ainda mais da minha vida, online ou não. Não acho que um contrato seja a melhor maneira, eu sempre tive um relacionamento muito aberto com a minha mãe. Ela sempre foi super antenada como você, sabia de todas as minhas redes sociais e eu adorava ter ela participando, já vi muitos amigos que faziam muitas coisas na internet porque os pais não sabiam mexer.
    Acho que uma boa conversa e um bom relacionamento entre pais e filhos, resolve o problema de ser viciado em um Smartphone.
    Beijos Ca
    #amigacomenta

    ResponderExcluir
  3. Assisti o Fantástico este dia, mas estou um pouco longe disso!
    Acredito que uma boa conversa é a base de tudo, né?
    beijos
    #amigacomenta
    @dipahh

    ResponderExcluir
  4. Eu sempre penso nisso, você já assistiu o filme CONFIAR? É muito interessante, só que corremos o risco de ficar bem paranoica depois de assistir.
    AO meu ver, acho que devemos ter um certo controle, vigiar, ver quem adiciona, ver o que posta no facebook e manter dialogo SEMPRE, sempre sempre, orientar em todos os momentos. Porém, acho que devemos ter um limite, o limite da privacidade, respeitar o individuo (afinal, nossos filhos são um, não são?) e não sei se gostaria de ler coisas pessoais, ter senhas, etc. Acho que isso é invasão. Mas para prevenir qualquer coisa " fora do controle" tem de rolar muito dialogo e cumplicidade.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não gosto de tá fuçando toda hora, acho chato. Mas gosto de saber que se eu quiser posso ver a qualquer hora. Sei lá...me dá sensação de que se não tem medo que eu veja é pq não tem nada para esconder. Agora as conversas são eternas e constantes.

      Excluir
  5. Talvez o contrato seja útil para algumas pessoas, afinal, cada um sabe onde o calo aperta, né? A princípio penso que um bom bate-papo com regras claras pode ser o suficiente, mas só vivendo a situação pra saber.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem isso Silvia. A gente vai fazendo e investindo no que dá melhor resultado ;) O contrato pra mim seria fim de carreira pq em algum momento seria usado contra mim. hahaha

      Excluir