28 de fevereiro de 2012

O importante é...aprender.

Imagem do site humanasaude.com.br
 




Estava voltando pra casa hoje pela manhã, depois de levar a filha na escola, e pensando: em que momento se ultrapassa a linha entre a  competição saudável e o vício de competir?
Porque pensei isso? Um dos assuntos no carro entre minha filha e os amigos foi a eleição para representante de turma. Começa a competição!
Quando nossos filhos participam de uma competição/concurso e ficam tristes por não ter conseguido ganhar, nós damos todo o carinho que ele merece e soltamos aquela frase: "O importante é competir". Mas há pessoas que absorvem isso de outra maneira, só pode ser!!!

Há quem não concorde com essa frase: http://bit.ly/AlsyZA

Tem pessoas que acreditam que "essencial é competir".  Elas tem uma verdadeira loucura por competição, há pessoas capazes de competir com você em um simples bate-papo de final de tarde.
Não estou querendo dizer que competir é uma coisa ruim. Há a competição saudável que nos estimula a alcançar o nosso melhor, aprender coisas novas, vencer desafios. Mas, o vício em competir eu considero destruidor. A pessoa se torna desagradável. O importante pra ela não é mostrar o seu melhor, mas sim derrotar os outros.
Lembram dessa música?
"Eu tenho a força. Sou invencível! Somos amigos, unidos venceremos a semente do mal"
Tem gente que parece só saber cantar a "Eu tenho a força. Sou invencível!". Amigos? Unidos? Imagina...são todos concorrentes sempre.
Vamos sempre buscar o nosso melhor, mas de maneira saudável e sem agredir aos outros.
Temos que saber perder, lidar com nossas frustrações, mas o que estou achando mais importante atualmente é ensinarmos as pessoas a ganhar.

Leia também em outros blogs :
Criança tem que aprender a perder, veja dicas de como ensinar: http://bit.ly/8ZZIKV
Competir, competir e competir: http://bit.ly/yLoeOl


5 comentários:

  1. É, um assunto polêmico...
    Acho que todo mundo gosta de vencer, ganhar prêmios e prestígio, mas isso não é tudo. O aprendizado com a competição/concurso ajuda-nos a amadurecer tbm, coisa muito importante ao longo da vida.

    Beijos!
    #amigacomenta

    ResponderExcluir
  2. Sabe o que eu lembrei lendo seu post? De quando temos duas ou mais crianças juntas, e para "incentivar" a comerem tudo, criam o espírito de competição: "vamos ver quem acaba primeiro?"
    Nunca gostei disso! Primeiro porque sempre comi devagar e porque não curto muito competições.
    Então, acho que nesses pequenos atos também podemos incentivar a fome de ganhar, de ser sempre o primeiro, o melhor. Claro, tudo bem dosado, não costuma dar problema, mas podemos refletir sobre isso quando nos depararmos com esta situação, seja dentro da nossa casa ou fora dela.
    Boa abordagem!
    #amigacomenta

    ResponderExcluir
  3. Acho que tem que ser ensinado mesmo o tempo todo para a criança que perder faz parte da vida. E isso vai além de competições escolares e esportivas. A gente perde a todo momento na vida. Ganha muitas outras... Cada dia é o dia de um ter a sua vitória.

    Fiquei lembrando que muitas vezes quando a gente brinca com criança tem a mania de deixar ganhar. Isso é legal, tem que deixar ganhar mesmo. Mas as vezes tem que deixar ele perder.

    Pessoas que só querem ganhar muitas vezes passam por cima de tudo para ganhar. E isso não é nada legal!

    Adorei o post! Beijosss! #amigacomenta

    ResponderExcluir
  4. Infelizmente é uma realidade inevitável! Nós, mães é que temos que ter a força pra remar contra a maré!

    Beijão.

    ResponderExcluir
  5. Como vivemos num mundo naturalmente competitivo, acho saudável que nossos filhos gostem das pelejas saudáveis, sem se deixar abater em sua autoestima. Aí, cabe aos pais incentivarem, sem excesso de cobranças e procurando analisar os possíveis "erros" no caminho, para que não sejam cometidos sempre.
    #amigacomenta

    ResponderExcluir